Crise/Energia: Sete empresas do setor da cerâmica paradas na região Centro

Vida Empresarial & Economia Empresas, Marcas e Produtos Portugueses

 Sete empresas do setor da cerâmica estão paradas devido à escalada dos preços da energia, abrangendo cerca de mil trabalhadores, mas o número deverá aumentar em abril, disse à agência Lusa o presidente da associação que as representa.

Segundo o presidente da Associação Portuguesa das Indústrias de Cerâmica e de Cristalaria (APICER), José Sequeira, as sete empresas que já têm a laboração suspensa situam-se na região Centro.

“Preocupam-nos muito essas sete empresas, mas preocupa-nos muito mais a perspetiva de que, no mês de abril, esse número possa ser bastante superior”, frisou o dirigente, alertando para que, “nas atuais circunstâncias, é impossível manter a laboração”.

O problema vai surgindo “à medida que as empresas têm que fazer a renovação dos seus contratos de fornecimento de energia” e são confrontadas com os novos preços, explicou.

José Sequeira disse à Lusa que as empresas que se mantêm em laboração o fazem porque “é importante não quebrar as cadeias comerciais” e “ir alimentando essa procura, ainda que com medidas que provocam o desgaste das empresas”.

“As empresas não estão, naturalmente, concebidas para estarem paradas. A paralisação já é um prejuízo em si mesmo, mas o facto de quando trabalham estarem a produzir e a perder dinheiro é ainda mais agravante do que propriamente estarem paradas”, lamentou o responsável da APICER.

Neste âmbito, ainda que o Governo possa tomar “medidas paliativas”, que “são muito bem vindas”, José Sequeira defendeu que a única forma de as empresas enfrentarem a atual situação é com “auxílios de Estado”.

“Não há outra hipótese”, frisou o dirigente associativo, considerando que, se é certo que os “auxílios de Estado” são “um mecanismo que funciona um bocadinho ao arrepio das leis da concorrência”, também o é que se vive uma fase “de enormes dificuldades e de emergência energética”.

“Nestas circunstâncias, há que recorrer a soluções de emergência também e, de facto, o auxílio de Estado é a única que se afigura como aquela que permite a laboração das empresas, que permite que as cadeias comerciais continuem ativas. Portanto, é aquela que, na verdade, pode solucionar mais o problema”, acrescentou.

José Sequeira sublinhou que “o que se pretende é que as empresas trabalhem”, até porque “há encomendas” e o setor da cerâmica “vem de um ano de 2021 em que aumentou o seu volume de negócios em cerca de 20%”.

“Portanto, o que as empresas precisam e querem é trabalhar”, garantiu.

Últimas Notícias
Andorra voltou a ouvir as janeiras em português
1/02/2023
Hugo da Costa: é preciso trazer mais jovens para a política
1/02/2023
Prémio Ferreira de Castro foi para português da Carolina do Norte
1/02/2023
Mianmar: igreja de comunidade lusodescendente foi totalmente queimada
1/02/2023
Isabel Sebastião assume coordenação do Ensino Português em França
1/02/2023
Camões e Santander renovam protocolo em nome da língua portuguesa
1/02/2023
Cafôfo exorta associações portuguesas no Brasil a concorrerem aos apoios do Estado
1/02/2023
Educação de crianças plurilingues deu mote a workshop no Luxemburgo
1/02/2023