Nove produtores de vinho do Alentejo fundam associação em defesa do setor

Regiões de Portugal Região Vitivinícola Regiões Vitivinícolas de Portugal Ver mais

Nove produtores vitivinícolas do Alentejo fundaram uma associação que representa “um terço de todo o vinho” certificado produzido na região, disse à Lusa o presidente recém-empossado, José Miguel de Almeida.

A Associação de Vinhos e Espirituosas do Alentejo (APROVESA), cujos primeiros órgãos sociais tomaram posse na semana passada, em Évora, ‘nasce’ com o objetivo de “fazer valer os interesses da região vitivinícola”, explicou.

As adegas Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito, de Borba e de Redondo, as cooperativas CARMIM (de Reguengos de Monsaraz) e da Granja, a empresa Encostas do Alqueva, a Fundação Eugénio de Almeida, a Quinta do Quetzal e a Herdade das Servas são os nove fundadores da associação.

Em comunicado, a APROVESA lembrou que o Alentejo é “líder na venda de vinhos engarrafados em Portugal”, com “mais de duas centenas de produtores de vinho”, passando a associação a representar “cerca de um terço de todo o vinho certificado na região.

A associação, uma vez que reúne “um leque variado de produtores” e conhece “todas” as “realidades do setor vitivinícola do Alentejo, pode “fazer valer os interesses da região” junto das entidades onde venha a ter palco, destacou o presidente da APROVESA.

Trata-se, portanto, de representar conjuntamente “produtores de cooperativa, mas também privados, que são em grande número na região”, junto de entidades como “a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana” ou “o próprio Instituto da Vinha e do Vinho”, acrescentou José Miguel de Almeida.

O também presidente da Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito lembrou ainda que é preciso ter “consciência de que existe um plano estratégico para a região”, ou seja, daquilo que o Alentejo e os produtores querem ter “do ponto de vista vitivinícola”.

E “a melhor forma de arranjar um caminho comum para a região” é através de uma associação que integre “produtores de diversas dimensões e realidades”, sustentou.

Segundo José Miguel de Almeida, um dos objetivos da APROVESA passa por “aumentar o número de associados” para conseguir “uma representatividade cada vez mais robusta” deste “importantíssimo setor da economia da região”.

“O contexto que vivemos atualmente obriga-nos, cada vez mais, a um reforço do trabalho em rede”, frisou o líder da APROVESA.

Os produtores têm sido atingidos por “efeitos diretos e indiretos” da guerra na Ucrânia, sobretudo com “a escalada de preços dos fatores que permitem a produção do vinho”, a qual tem sido “muito significativa de semana para semana”, exemplificou.

Uma situação que “tem a ver com a própria guerra e não só”, porque já havia “uma escalada de preços a acontecer anteriormente à própria guerra”, lembrou.

Últimas Notícias
Fundação da Guarda abre concurso literário às comunidades
6/06/2024
Orquestra europeia atuou na Alemanha com nove portugueses
6/06/2024
Portugueses da Alemanha comemoraram 10 de Junho em Berlim e Düsseldorf
6/06/2024
Portugueses já festejaram o 10 de Junho em Bruxelas
6/06/2024
Europeias: só precisa do Cartão de Cidadão para votar cá fora
6/06/2024
Emigração de portugueses para Itália está a bater recordes
6/06/2024
Paulo Pisco assinala Dia das Comunidades em Paris e Marselha
6/06/2024
Médica portuguesa distinguida por progressos na luta contra o cancro
6/06/2024