Pobreza na Guiné-Bissau impede acesso a alimentação saudável à maioria da população - ONU

Portugal e a Lusofonia Comunidade de Países de Língua Portuguesa Ver mais

A pobreza na Guiné-Bissau impede o acesso a uma alimentação saudável à maioria da população, segundo um estudo apresentado hoje, em Bissau, pelo Programa Alimentar Mundial (PAM).

“O custo da dieta nutritiva, estimado em quatro dólares, seria incomportável para quase 68% da população”, refere o estudo sobre a disponibilidade, acesso e custos associados a uma alimentação saudável no país.

O mesmo estudo indica que os elevados níveis de pobreza na Guiné-Bissau significam que “mesmo uma dieta energética, com um custo de 2,35 dólares, é inacessível para 28% da população”, que ronda os 1,8 milhões.

O PAM salienta que há “oportunidades para aumentar a disponibilidade de alimentos nutritivos, diversificando a produção e desenvolvendo a indústria pesqueira”.

“Os atuais níveis de produção alimentar doméstica são insuficientes e poderiam ser melhorados concentrando-se no aumento da fruta fresca, legumes, leguminosas, frutos secos e alimentos de origem animal”, refere o relatório.

O programa das Nações Unidas defende também uma melhoria do rendimento das colheitas e a redução da dependência da importação de arroz, base alimentar dos guineenses.

O PAM salienta igualmente que a monocultura do caju tem vindo a prejudicar a segurança alimentar e a diversidade dietética dos guineenses.

“À medida que os choques climáticos se tornam mais frequentes e as temperaturas aumentam, o mesmo acontece com o risco associado ao cultivo do caju, que depende de temperaturas estáveis. Assim, a dependência de uma única cultura comercial ameaça o rendimento potencial e a subsistência dos pequenos agricultores, que são na sua maioria mulheres”, lê-se no estudo.

O estudo recomenda também o aumento das porções das refeições escolares e a adição de alimentos “frescos e nutritivos”, incluindo ovos, fruta de goiaba e folhas de mandioca.

Uma refeição maior, localmente apropriada e nutritiva, poderia “reduzir a quantidade que os agregados familiares precisam gastar numa dieta nutritiva para crianças em idade escolar”.

Segundo dados disponibilizados pelo PAM, na sua página oficial, 69% dos guineenses vivem abaixo do limiar da pobreza e 25% sofrem de má nutrição crónica.

Na Guiné-Bissau, o PAM dá apoio nutricional a 96.000 mulheres grávidas e lactantes e crianças menores de 5 anos, bem como a 6.500 pessoas que estão a receber tratamento para o vírus da sida e tuberculose.

O PAM desenvolve também um programa que fornece refeições quentes a 173.000 crianças em idade escolar e distribui às meninas porções de comida para levarem para levar para casa, incentivando a sua permanência na escola.

Últimas Notícias
Fundação da Guarda abre concurso literário às comunidades
6/06/2024
Orquestra europeia atuou na Alemanha com nove portugueses
6/06/2024
Portugueses da Alemanha comemoraram 10 de Junho em Berlim e Düsseldorf
6/06/2024
Portugueses já festejaram o 10 de Junho em Bruxelas
6/06/2024
Europeias: só precisa do Cartão de Cidadão para votar cá fora
6/06/2024
Emigração de portugueses para Itália está a bater recordes
6/06/2024
Paulo Pisco assinala Dia das Comunidades em Paris e Marselha
6/06/2024
Médica portuguesa distinguida por progressos na luta contra o cancro
6/06/2024